Arquivo para janeiro \26\UTC 2009

Décembre, por Joseph Simon

Dezembro foi um mês bem agitado aqui em Paris. Houve uma tentativa de ataque terrorista meio frustrada numa loja chamada Printemps, discussões sobre o trabalho ilegal e o trabalho aos domingos, a visita do Sarkozy com seu belo concorde chamado Carla Bruni (aliás, tão rodada quanto um concorde) ao Rio de Janeiro, as dezenas de mendigos mortos pelo frio… Comentar isso tudo somando os meus perrengues pessoais seria uma árdua tarefa que fugiria das minhas escassas habilidades jornalísticas. Assim, resolvi convidar um colunista do Le Monde bem conhecido por aqui chamado Joseph Simon, apelidado simplesmente de Singe Simon. É uma espécie de comentarista geral, que ri e tira sarro de todo mundo, sem qualquer escrúpulo. Sou fã dele e ele gostou da idéia de escrever um resumo de dezembro para o Café Paris, com algumas referências bem brasileiras. Espero que gostem.

***

joseph_simon

BUEMBA! BUEMBA! Singe Simon Urgent! O esculhambador geral da république! Direto do país dos direitos humanos (é a piada pronta)! O sonho de qualquer esquina da Oscar Freire! Rarará!

E Paris tá bombando! Dinamite na Galerie Printemps! Essa loja é um estouro! E diz que foi um terrorista afegão que colocou a bomba no banheiro da loja Printemps. Mas aí falaram que foi uma sabotagem da Galerie Lafayette. E teve gente que disse que foi um funcionário da loja que fez cocô com dor de barriga de foie gras e champagne! Mentira! Quem deixou a bomba lá foi a Daslu! Pura inveja! Rarará! A Daslu fez complô com a José Paulino pra derrubar a Printemps com a Haussmann! É mole? É mole mas é só olhar pra Torre Eiffel que sobe!

E aqui em Paris tem um monte de mendigo morrendo. Aí eu tenho uma amiga que saiu da Fauchon na Champs Elysées e viu um medigo que lhe pediu dinheiro. Ele disse: “madame, me dá um trocado! eu não como há três dias!” E ela respondeu: “TRÊS DIAS?! Ai que inveja! Como você consegue?!” Rarará!

E diz que o Sarkozy vai passar o natal com a Carla Bruni no Rio de Janeiro! E o pai da Carla Bruni disse que mora em São Paulo! O Sarkozy foi pro Rio pra fugir do sogro! E o Sarkozy, além de corno, tem sogro paulistano, mêu! Rarará! Pior ainda: sogro que torce pro Corinthians e que vota na Marta! E o Sarkozy vai se encontrar com o Lula pra resolver a crise da indústria automobilística. Vai lançar um Peugeot versão Rio de Janeiro 2009: à prova de balas! Vai chamar Peugeot Caveron! É o Bope chique! Quero só ver depois: o uniforme do Bope vai ser do Jean Paul Gautier e o capitão Nascimento vai chamar capitão Napoléon! Rarará!

E aqui em Paris a brasileirada se vira pra fugir da crise! Eu tenho um amigo meu que trabalha num sexshop e ele diz que pra ele não tem crise: de dia ele gasta o pinto, à noite ele vende pinto! Ele come todo mundo e ainda vende pinto! E uma amiga minha que trabalha de babá diz que ganha pouco e que vive arrependida. Diagnóstico: falta de pinto! E um amigo meu não comeu ninguém ainda! Ou seja, tá sobrando pinto! Os brasileiros resolvem tudo em Paris com o pinto! Alguém sempre se fode! Rarará!

E attention! Diz que o Lula tá aprendendo francês pra fazer a revolução! Francês língua plesa! Mais um verbete para o óbvio lulante versão nouvelle vague. “Angoisse“: sentimento de companheiro que bebeu champagne demais! “Ê amigo, que m’angoisse”, hein!” O lulês é mais fácil do que francêis. Nous souffrons, mais nous gozons! Aujourd’hui demain! Que eu vou pingar meu colírio alucinógeno da Chanel! FUI!

Anúncios

Reabertura

Sei bem que este blog está mais parado do que olho de vidro. Mas vocês tem que entender que a atividade dele é proporcionalmente inversa à agitação da minha vida.

Isso significa que nas últimas 5 semanas em que nada escrevi para o blog estive me dedicando à outras ativiadades interessantes como acompanhar ataques terroristas na minha vizinhança, me empanturrar de foie gras no natal, festejar o ano novo no metrô, me dedicar profundamente nos estudos sobre o desaparecimento da civilização da Ilha de Páscoa, a instrumentalização dos Direitos Humanos e a Responsiblidade Social das Empresas, descreditar a culinária brasileira através de um punhado de tapiocas mal feitas, aumentar minha coleção de desculpas recebidas das francesas que se recusam à sair comigo… Enfim, o Café Paris esteve fechado pois alguém estave trabalhando. Mas enfim chegou a hora de apoiar os cotovelos no balcão.

Prometo trazer bem logo novas histórias e comentários ásperos sobre o suprassumo da essência kitsch parisiense. Tem até histórias envolvendo pias. Emocionante, não?

Aguardem.