Arquivo para novembro \24\UTC 2008

Pas plus de tum-tum-tá

football

Semana passada fui visitar o calvário do futebol brasileiro aqui em Paris. Para os que não se lembram, o Stade de France foi onde o Ronaldo, que na época ainda era nomeado no diminutivo, teve um chilique e ficou fora da final da Copa do Mundo de 1998. E, claro, foi onde o Brasil levou um chocolate da França e acabou ficando sem o caneco daquele ano.

Más lembranças à parte, escrevo para fazer uma denúncia, já que o França e Uruguai que eu fui assistir foi tão ruim quanto um jogo-de-fim-de-ano-de-firma. Os franceses abandonaram, simplesmente, o tum-tum-tá do Queen. O tão bem lapidado refrão de We Will Rock You, universalmente conhecido e utilizado em qualquer torcida, virou démodé.

Digo isso pois os azuizinhos preferem, agora, a batucada de Seven Nation Army, do Withe Stripes. Tudo bem, a música é legal e eu também gosto. Mas a banda é muito jovem pra conduzir um estádio inteiro, 80 mil pessoas, à um ritmo que tocamos inconscientemente pra apoiar um time em campo. Pois isso não é qualquer coisa: é como pegar qualquer refrão por aí e colocá-lo no mesmo altar que o nosso olê, olê, olá.

Me perdoem pelo quasi-protesto, mas precisava desabafar. Acho que foi efeito do jogo ruim. Fiquem com o clipe e a música, que são bem melhores.

Bigode poético

Desde que por aqui cheguei vejo que em muitos rostos estampados nos cartazes publicitários espalhados pelo metro existe um bigodezinho. É, um bigode, cheio e com pontinhas enroladas. Com a mesma vontade sacana de alguém que desenha um bigode num retrato (não que o Marcel Duchamp tenha sido), alguém anda por aqui colando os tais bigodes, pois são adesivos.31554335

E quando chegamos perto, vemos que nele está escrito moustache poétique (bigode poético).

Moustache Poétique

Depois de muito ver e até fotografar, resolvi usar minha habilidade para coisas inúteis e encontrei a fonte da coisa. Há um grupo de stand-up comedy aqui em Paris chamado Le Grandiloquent Moustache Poésie Club (O Grandiloquente Bigode Poesia Clube): 3 caras que fazem o humor de boteco com um fundo poético, todos dotados de um bigodinho, mas de verdade.

Picasso e a marca do bigode arrancado
Picasso e a marca do bigode arrancado

E a boa idéia foi espalhar de forma contínua, discreta e misteriosa os bigodinhos poéticos adesiváveis pelos infinitos cartazes publicitários — a maioria de cinema e teatro, por isso com muitos retratos. Para os que vem passar as férias aqui, fica a dica de prestar atenção nos cartazes e colecionar fotografias de bigodinhos.

avant

apres

mp3

Alugar um apartamento em Paris

A melhor maneira que eu encontrei de mostrar à vocês o quanto é difícil e complicado alugar um apartamento em Paris foi através deste vídeo. Como sei que nem todos têm a chance de poder se enroscar nos verbetes franceses, traduzi, mal e porcamente, esta pequena esquete que mostra muito bem o nível das coisas pra quem se arrisca a alugar algo pra morar por aqui. É claro que comigo foi bem diferente: tive a sorte imensa de não ter que passar por tudo isso. Mas conheço gente que passou, e foi até pior…

Mathieu e Coralie Legrand estão à procura de um apartamento em Paris, há 18 meses. Uma procura difícil, já que os proprietários são exigentes. Mas desta vez o negócio parece ser bom, bem encaminhado, eles gostaram do apartamento e a renda mensal do casal é compatível com o aluguel. Hoje eles têm uma reunião com o proprietário, o senhor Bruns, para examinar o dossiê deles.

— Bonjour!

—Bonjour. Bonjour.

— Entrem.

— Obrigado.

— De nada. Sentem-se. Tem duas cadeiras que estão à vossa espera.

35m² por €1.500,00, sem incluir os gastos mensais. É um achado!

Mathieu é controlador de gestão e ganha €4.300,00 por mês, Coralie é secretária de um consultório médico e ganha €1.300,00. A renda mensal do casal corresponde à 4 vezes o valor do aluguel. É bom, mas não é suficiente. Mas além disso os pais de Mathieu pagaram um valor de caução para o aluguel do apartamento. É bom, mas não é suficiente. Mas Mathieu e Coralie pensaram em tudo: os pais de Coralie também deram um caução, da mesma forma que seus avós e a bisavó de Mathieu. É bom, mas não é suficiente.

Senhor Bruns quer se assegurar da boa saúde dos seus futuros locatários a fim de não ficar com o aluguel atrasado. Coralie e Mathieu Legrand forneceram um dossiê médico completo ao senhor Bruns: as taxas de colesterol estã baixas, a de triglicérides também, os eletrocardiogramas estão perfeitos, as urinas estão claras… O senhor Bruns está convencido, mas não é suficiente. Ele deve, agora, proceder um exame contra o câncer de mama em Coralie e um exame contra o câncer de próstata em Mathieu. É bom, mas não é suficiente.

Preocupado com o conforto da sua vizinhança, o senhor Bruns quer agora estar seguro da tranquilidade dos seus futuros locatários: ele deve feviricar se Coralie não faz muito barulho quando ela trepa. É bom, mas não é suficiente.

A decepção é grande para o jovem casal.

— Não temos apartamento…

[Aqui a garota diz algo em relação ao clitoris dela, mas não consegui entender]

Proprietários cada vez mais exigentes, locatários cada vez menos viáveis. A situação do mercado imobiliário de Paris não melhorará tão cedo.